5 de jul de 2016

A ditadura da branca, de nariz pequeno, cabelo liso e 36/38 do Instagram

Eu sou branca, tenho uma bola em cima do nariz e visto 40/42. Sei da minha condição de privilégio como branca, meu cabelo liso é motivo de loucuras nos cabelos de algumas meninas, mas não visto 36/38 neste momento, e nem lembro da última vez que vesti além de que sei que se eu não souber tirar uma foto, meu nariz será mais uma bola de basquete que um nariz propriamente dito.
Exagero meu? Talvez, mas é isso que venho dizer aqui... eu não tenho problema algum e você também não tem.

Sigo muitas e muitas e muitas garotas no Instagram e sou bombardeada para fotos de nus-artísticos de garotas com manequins 38, barriga chapada e olhar no horizonte. Garotas que não se sentem incomodadas em tirar a roupa para lentes já acostumadas com seus padrões de normalidade e claro, esses corpos são alvos de paixões por pessoas que os observam como o corpo padrão e cheio de normalidade estética.

Me pergunto eventualmente se eu deveria realmente acompanha-las, num questionamento súbito sobre a normatividade. Chego a conclusão que sim, não é culpa delas o que elas disseminam, aquele é o corpo delas, e eventualmente elas são seguidas por garotas que se espelham nelas. Que sonham em ser como elas. E que por sonhar, muitas vezes não dão chances de conhecer garotas que quebram essa padronização e que mostram como a beleza feminina é fodasticamente LINDA em todas as instâncias.
O corpo 36/38, o nariz fino e de boneca... são lindos. Mas todos os outros narizes, todos os outros tons de pele e todos os outros corpos também são. Você é magra? Ótimo. Você é gorda? ÓTIMO TAMBÉM. Ser magricela, magra, normal, meio gorda ou gorda só mostra como somos seres diferentes, e lindos, e isso, unido à beleza feminina, rapazzzz... pira qualquer um. 

Há tantos projetos fotográficos fodas, mas a sua maioria coloca o esteriótipo instagram em seus trabalhos, que venhamos e convenhamos só é um reflexo de todo aquele corpo tradicional que o mundo mostra como correto.

Suc, mas você é magra, por que abrir essa luta? E essa sua foto de barriga chapada no instagram que postou a pouco tempo?

Abri essa luta porque mesmo eu sendo do grupo que não sofre preconceito não significa que eu não me importe ou que eu ache que eu sou certa. Eu sou eu. Eu tenho barriga lisa? Tenho. Mas me dá uma calça de cocha fina, menina... entro é NUNCA. Sou uma guria com cochas e pernas grossas e sou maravilhosa, viu? Vou te contar. Assim como você também é. A minha foto de barriga é um começo, logo virá minhas cochas e logo virá meu corpo, normal, nem magro e nem gordo, mas tanto faz, porque isso não me faz mais bonita que nenhuma de vocês que estão lendo.
Meu texto abre discussão para que vocês entendam que não é porque ela postou uma calça maravilhosa da loja da esquina que tem uma cocha finíssima e você nunca entrará nela que você é feia, você apenas não cabe naquela calça (erro da marca não seu) mas caberá em tantas outras, não se importe.

Me foquei sobre manequim, mas isso vale para o cabelo, para o seu nariz de bola como o meu ou seja lá como o seu for, para suas orelhas, para suas olheiras, para os seus seios fartos ou não, para sua pele! CARALHO, PARA SUA PELE! Tu é linda sendo negra, mina... e qualquer cor fica bem em você, não esquece. SEJA QUEM VOCÊ QUER SER. Mas seja por você, não por uma guria no instagram... quer comer engordar? Seja feliz! Quer emagrecer? Seja feliz! Faça o que te faz feliz lá no fundo do coração. Não passe vontades, apenas faça. É isso.

______________________________________________________________
JA ME SEGUIU NO INSTAGRAM? @wtfsuc

~bjs,wtfsuc

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Notas
Comentários anônimos não serão aceitos; Deixar somente o link de seu blog não me fará visitá-lo; Se vai comentar, ao menos leia o post, caso contrário pode sair da página.

Não sei por que as pessoas são tão relutantes em dizer que são feministas. Talvez algumas mulheres simplesmente não se importem. Não é óbvio que ainda vivemos em um mundo patriarcal onde a palavra ‘feminismo’ é vista como ruim? - ELLEN PAGE